Página Inicial | Versão na Língua Inglesa

Último suspiro

As vozes dos mortos me chamam
Eles flutuam em seu próprio sangue
Jazendo sob meus exaustos pés
Uma noite sangrenta no campo de batalha

Nenhuma honra restou
A bravura não resistiu
Apenas a dor e a morte caminham
Para livremente convidarem a todos

Esperança não mais existe
O nascer do sol não será visto
Espadas ainda lutam
Mas a vitória já se foi

Dou meu último suspiro
Luto pela sobrevivência improvável
Embora estou certo
De que não estarei vivo à madrugada

© 2004 Eduardo Magela Rodrigues

Página Inicial | Versão na Língua Inglesa